26.9.07

Quanto disparate!!!

Olha só. Não melhor, lêem só.

Tá ficando chato este negócio de dizer que isto ou aquilo tá De ponta Cabeça, a coisa já passou de crônica, senhoras e senhores, e aí penso em duas opções:

1 - Conformação (o que a maioria faz)
2 - Planos de Mudança (pelo menos no jeito de pensar, será que isso dá?)

Então como inconformadíssima que sou (já perceberam que devo ficar muito tempo escrevendo por aqui), penso que, hoje em dia, o senso comum do povo está mesmo é no CTI, com todos os órgãos falindo ao mesmo tempo. Ah! Os médicos entraram em greve e todos os enfermeiros foram almoçar.




Image Hosted by ImageShack.us

A última agora:

Por conta de uma cirurgia (que estava programada), me encontro na fase do pós-operatório (e bem graças a Deus com meu senso idem rs...), vendo tudo o que podem imaginar na TV (perceberam minha situação!? Santa paciência!!! ) e zapeando encontro de tudo um pouco. Poucas coisas boas, quase tudo de ruim. Há vida inteligente nas programações das TVs?

E o absurdo da vez é que a personagem, ovacionada do momento, da novela Paraíso Tropical, a Bebel, interpretada por Camila Pitanga, foi eleita a namoradinha atual do Brasil.

Ora, ora, não vou discutir o talento merecido de Pitanga, que de verdade é uma pitanga, e nem apedrejar prostitutas, porque não sou a dona da verdade, mas honestamente, segundo a sinopse dos autores Gilberto Braga e Ricardo Linhares, Bebel é:

"Linda, atraente e sem caráter, é uma das meninas do bordel de Amélia, onde mantém um ar de superioridade em relação às companheiras de trabalho. Ambiciosa e individualista, se torna amante do cafetão Jáder e passa a trabalhar para ele no calçadão de Copacabana. Vai ter diversos envolvimentos amorosos, mas só se apaixonará por um homem: Olavo". (Olavo é semelhante.)


E mais, em apenas dois dias em que vi a novela, ficou claro que ela também é golpista e alpinista social. Daí fica difícil não dizer, a coisa tá complicada.

E olha, que nem apelo ao falso moralismo, porque ao menos no romance"Uma linda mulher", protagonizado por Julia Roberts, o que se vê ao final é que a Pretty Woman, também garota de programa, retorna aos estudos, abandonando a vida das ruas, provando que há outra forma de pensar, outra opção de "ganhar a vida". Esta, entendo eu, seria a mensagem transmitida pelos autores e ali, é observado o quanto que ela era admirável. Eu me apaixonei por Julia Roberts desde então. Eu e milhões de outras pessoas.

O que acontece com as pessoas que não percebem estes absurdos? E vão engolindo tanta porcaria? Quanta (i)responsabilidade a desses autores que ditam modas e mudanças de comportamento!

Diante de tal coisa, só me resta perguntar: Quem seria o namoradinho do momento? Os exemplos que obtivemos com os senhores no Senado? E outra, como desfazer os imbróglios na cabeça desta geração sem miolos? Quem será reponsabilizado?

Isso sim me preocupa, porque como mãe atenta que sou, tenho de desfazer essas trapalhadas na cabeça de meus filhos adolescentes a todo momento. E os jovens desprovidos de pais ou tutores atentos??

E assim vamos colhendo - TODOS - os frutos podres de uma geração perversa, Corrupção, Violência, Mau Caratismo, Desonestidade etc, etc e etc. Em letras maiúsculas mesmo. Ás vezes acho que a errada sou eu por pensar desta forma.

Quanto disparate!!!

Bom...agora preciso descansar, porque o assunto me deixou exausta.

Beijos, beijos, beijos
Chris







Um comentário:

Rubinho Osório disse...

Estimo plena e súbita recuperação.
Sugiro que a tal "moça" se case com o tal "Renan". Será perfeito!!!
Argh!!!